Business Intelligence: uma nova ferramenta para Fomento Mercantil

Em 30 de maio de 2008, foi publicado no Portal do Fomento uma matério sobre o bussines Inteligence e o Fomento mercantil, veja:   

Autor: Ernani Desbesel
Matéria: Business Intelligence: uma nova ferramenta para Fomento Mercantil  

O Factoring no Brasil já atingiu sua maioridade. Sim, os empresários de Factoring pertencem a uma categoria que, a duras penas, nasceu e cresceu convivendo com crises políticas e financeiras de toda a espécie e a toda hora. O tempo passou e as dificuldades se modificaram e, infelizmente, aumentaram. 

Hoje convivemos com dificuldades imensamente maiores do que as enfrentadas há alguns anos passados. A concorrência está cada vez mais acirrada, o fator utilizado está cada vez menor, não há mais espaço para a administração convencional. A realidade de hoje não perdoa as empresas que não investem em capacitação de seus colaboradores e que se distanciam do constante aprimoramento de suas práticas gerenciais. 

Está cada vez mais evidente que o Planejamento Estratégico é um diferencial competitivo para as empresas que querem seguir adiante com seu crescimento, não somente para sobreviver no mercado. As que se preocupam somente em ir levando, com o pensamento de que um dia há que melhorar fatalmente terão surpresas desagradáveis pela frente. 

A utilização da inteligência no gerenciamento dos negócios é essencial para maximizar o aproveitamento das oportunidades e potencialidades de cada empresa. Mas como administrar inteligentemente uma empresa de Fomento Mercantil? Será que basta que o administrador seja experiente, competente e inteligente? Para uma boa decisão estratégica, bastam os dados armazenados no cérebro do decisor? O feeling do decisor é o bastante para apontar o melhor caminho a ser seguido? 

Há poucos anos não dispúnhamos de ferramentas que hoje são indispensáveis para o gerenciamento das empresas, a tecnologia da informação está cada vez mais se tornando a melhor parceira do administrador. E por que não utilizá- la no que ela tem de mais atual? 

Inicialmente foram os softwares de gestão (ERPs) que integraram todos os dados da organização em um único sistema, o que possibilitou a automação e o armazenamento das informações das empresas. Você já imaginou sua empresa sem um ERP? É difícil até de imaginar esta situação. Mas ainda faltava um segundo passo, o que veio acontecer com o Business Intelligence. 

Há pouco tempo entre nós, o Business Intelligence (BI) veio para atender a necessidade mais essencial para os administradores: transformar os dados armazenados em informações gerenciais em tempo hábil e de forma flexível, extraindo e integrando dados de forma a proporcionar e transformar os registros contidos no software de gestão para que estes dados sejam analisados de forma contextualizada, o que permite ao administrador fazer uso de sua experiência para a tomada de decisões estratégicas em cima de um histórico de informações até então somente armazenadas em um banco de dados. 

A empresa de fomento mercantil ao somar a utilização de ferramentas de inteligência de negócios com a experiência de seus colaboradores para a análise e tomada de decisão certamente estará se tornandouma empresa mais inteligente e competitiva. A falta de qualquer uma destas bases tornará o processo de tomada de decisão falho, pois não basta termos colaboradores analíticos e competentes se lhes faltar a ferramenta adequada para transformar informação em solução. 

Ao utilizar a ferramenta de BI, a empresa de fomento mercantil dá um passo à frente na tecnologia, podendo disputar o mercado com informações gerenciais de que só dispunham os gigantes do mercado, como os bancos, que acabam disputando os mesmos clientes. 

O BI tem por finalidade principal trazer benefícios tais como: 

– Proporcionar um planejamento corporativo mais amplo;
– Compreender as tendências dos negócios, melhorando a consistência no momento de decisão de estratégias e ações a serem tomadas;
– Analisar dados contextualizados;
– Trabalhar com hipóteses;
– Procurar relações de causa e efeito;
– Facilitar a identificação de riscos;
– Transformar os registros obtidos em informação útil para o conhecimento empresarial;
– Possibilita a redução de custos;
– Aumenta significativamente o conhecimento dos clientes. 

A ferramenta de BI possibilita ainda a visualização de modo gráfico e simplificado a atividade da empresa, o seu desempenho, potenciais riscos ou desvios do planejado, sendo possível a detecção de fraudes com mais facilidade e a análise de impacto das decisões tomadas possibilitando a correção dos rumos da empresa. 

As empresas de fomento mercantil necessitam mais do que nunca de um sistema de suporte à decisão eficaz e relevante, que traga a uniformização e descent ralização do acesso à informação para todas as áreas da empresa. A ut ilização do BI, pelo custo total do projeto, estava acessível somente para grandes empresas, sendo esta ferramenta a chavemestra de alguns setores como telecomunicações, bancos, seguros, cartões de crédito. Esta realidade vem mudando com o tempo, já sendo possível o acesso das empresas de fomento mercantil a esta ferramenta que não pode ser considerada um custo, e sim um investimento rentável. 

O futuro já começou. Palavras como evolução, tecnologia, inovação, inteligência, conhecimento e qualificação somente terão significado se estiverem associadas a outras como planejamento estratégico e atitude imediata. Somente assim prosseguiremos firmes e fortes para enfrentarmos as dificuldades que por certo virão. 

http://www.portaldofomento.com.br/artigo.php?id=8

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.