Setor nacional de factoring reúne-se em Pernambuco para debater competitividade

Publicado em Revista Negócios PE –  POSTADO ÀS 20:03 EM 15 de Maio de 2010

Segundo a ANFAC, segmento de fomento mercantil gera 2,2 milhões de empregos diretos e indiretos no Brasil –

O segmento de factoring, importante para as empresas com vista a compensar a falta de crédito tradicional, movimenta atualmente mais de 1,3 trilhões de euros no mundo, do qual 61% se  concentra na comunidade européia. A China é o mercado que mais cresce no momento. E é para aprofundar questões ligados ao setor que a  Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil – ANFAC, realiza, de 02 a 04 de junho, no Summerville Beach Resort Hotel, em Porto de Galinhas, o X Congresso Brasileiro de Fomento Mercantil. Essa é a primeira vez que o encontro, considerado o maior dessa área,  acontece no  Nordeste.

O evento reúne nomes expressivo do cenário nacional como  palestrantes, a exemplo  do ex – ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega; Marco Aurélio Melo, Ministro do STF, Massami Yeda, Ministro do STJ,  Luiz Lemos, presidente nacional da ANFAC,  o consultor de empresas Waldez Ludwig, entre outros, que realizarão palestras com foco central na  questão  Competitividade. O Congresso contará com 700 participantes – profissionais da  área jurídica, empresários do setor,  contadores e líderes das entidades representativas da classe, vindos de vários estados –  dos quais cerca de 300 já se encontram devidamente inscritos.  No Brasil,os negócios do setor  (Factoring) já existem há 28 anos. As 650 empresas associadas da ANFAC prestam assistência a 140.000 pequenos e médias empresas em todo o país, garantindo a manutenção de um mercado de mão de obra de 2,2 milhões de empregos diretos e indiretos.

Importância –  “Com a escassez do crédito nas instituições bancárias  que estourou a crise de setembro de 2008, muitas empresas só conseguiram  sobreviver  graças às factorings que, além da compra de recebíveis, desempenham a  importante função na administração de contas a receber e a pagar e na análise mercadológica, na escolha de clientes, evitando que as empresas fomentada corressem maiores riscos em seus negócios do que poderiam suportar”, lembra o presidente da Comissão Organizadora do Congresso,  Alcidésio Maciel. Para ele, pode-se dizer, sem dúvidas, que muitas empresas de pequeno  e médio portes continuam ativas no mercado graças aos serviços oferecidos pelo setor”.

Palestras e palestrantes – O Congresso será palco de debates sobre questões essenciais à consolidação da indústria do fomento mercantil. Temas como A regularização da atividade; A experiência internacional do factoring; A influência da crise internacional na economia brasileira; As reformas necessárias e a competitividade empresarial; Ferramenta para gestão de risco;  Novos produtos do mercado de capitais à disposição dos empresários de fomento, entre outros.

O evento começa às 20h, do dia 02 de junho, com o presidente  da Comissão organizadora do Congresso, Alcidésio Maciel, saudando os presentes. Em seguida, o presidente da ANFAC, Luiz Lemos Leite faz a palestra inicial, falando sobre Perspectivas e desafios do Fomento mercantil no Cenário Econômico Brasileiro. Em seguida, haverá show típico regional. No dia 03, logo às 9h, o Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, debate sobre A Economia Brasileira e a Sua Competitividade Frente ao cenário Econômico Internacional. Às 9h45, Marcos Nader, do Comprova.com, analisa Contratos digitais: redução de custos e riscos. Após sua palestra, às 10h30 é a vez de Valter Viana, da WBA falar sobre Inteligência   Competitiva no Fomento Mercantil.

Às 11h45, Gleyson dos Santos (Bradesco) faz sua palestra, tratando do tema Produtos e Serviços Diferenciados para Empresas de Fomento Mercantil. Às 12h30, entra em debate o tema Ética Empresarial na Prevenção e Combate à Corrupção. O palestrante é o Gerente Executivo de Políticas Públicas do Instituto ETHOS, Caio Magri. Em seguida, às 13h15, Waldez Ludwing, consultor de empresas fala sobre Competitividade em Quatro Tempos: Estratégia, Qualidade, Inovação e Talento. Às 14h, o Ministro do STJ – Superior Tribunal de Justiça, Massami Uyeda fala sobre Decisões Judiciais e Seus Reflexos Econômicos.

No dia 04, às 9h, a palestra Tributação no Brasil – Impactos Sobre  Cenário de Modernização da Economia Brasileira, por Marcos Vinicius Neder, Sub – Secretário da Receita Federal do Brasil abre os debates do último dia do Congresso. Às 9h45, o assessor econômico da Serasa Experian, Carlos Henrique, trata de mais um tema de interesse dos participantes: Crédito e Inadiplência – Panorama Geral. Às 10h30, Fernando Marsillac, do Banco Petra, fala sobre “Instrumentos do Mercado de Capitais e a Competitividade das Empresas de Fomento Mercantil”

Em seguida, às 11h45, As Mudanças no CPC e a Celeridade da Prestação Jurisdicional é o tema da palestra do desembargador José Roberto dos Santos Badaque, membro da Comissão de Juristas para elaborar o anteprojetro do Novo Código de Processo Civil. Às 12h30, O ex – Ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega fala sobre Agilidade do Judiciário como fator de Competitividade Econômica, encerrando o ciclo de palestras e dando lugar a Assembléia Geral Ordinária da Anfac.

Inscrições – Os interessados em informações e inscrições, podem acessar o  site www.anfac.com.br/congresso .